A China restringiu as cidades menores do país de construir “arranha-céus”, como parte de uma licitação  para reprimir projetos que priorizam a vaidade. O país abriga alguns dos edifícios mais altos do mundo, incluindo a Torre de Xangai, com 128 andares, informou a BBC.

Relatórios locais também questionaram a necessidade de cidades de baixa densidade construírem arranha-céus, sugerindo que foram construídos por vaidade e não por praticidade. Já existe uma proibição existente para edifícios com mais de 500 metros.

Leia também

O anúncio foi principalmente recebido com aprovação no site de mídia social chinês Weibo, com muitos afirmando que os arranha-céus superaltos “não eram necessários … eles são apenas artificiais” e, no início deste ano, o país proibiu a “arquitetura feia”.

“Estamos em um estágio em que as pessoas são impetuosas e ansiosas demais para produzir algo que possa realmente entrar na história”, disse Zhang Shangwu, vice-diretor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Tongji, ao South China Morning Post.

Fonte: LaPresse

Fique por dentro de nossas notícias na página do DecorStyle no Facebook 

ou no nosso site www.decorstyle.ig.com.br