Na hora de reformar o banheiro ou o lavabo, surgem diversas dúvidas a respeito da instalação das cubas mais adequadas para o ambiente, tanto para o melhor aproveitamento do espaço, como para harmonizar com o restante da decoração.

Para mostrar as principais diferenças entre os modelos existentes, apresentamos um guia bem fácil para ajudar na escolha. Confira!

“Atualmente é grande a variedade de cubas no mercado. O ideal é pesquisar os vários tipos e verificar qual é a mais indicada para a sua residência. Hoje, trago algumas dicas que podem facilitar essa decisão. Porém, indico sempre procurar um profissional da área para auxiliar na escolha correta.”, aconselha o arquiteto Bruno Moraes.

Cubas de semi encaixe, que são perfeitas para a economia de espaço | Projetos do escritório Bruno Moraes Arquitetura e fotos de Luis Gomes

Tipos de cubas

Cuba de Embutir: bem comum nas casas brasileiras, é o modelo instalado por baixo do tampo, em que sua borda de fixação é colada na parte inferior. Para quem irá utilizá-lo, é preciso estar atento para a borda do tampo, que ficará aparente no local do recorte da cuba. Nesse caso, é possível usar a torneira alta, baixa ou mesmo a de parede.

Cuba de Semi Encaixe: modelo muito utilizado em locais compactos, como apartamentos de pequenas metragens, pois é possível a sua instalação em um tampo mais estreito. Enquanto metade da peça fica sobreposta, a outra aparece suspensa para fora. Como alguns modelos permitem a instalação da torneira na própria cuba, é possível utilizar a bica baixa, alta ou de parede. Dica: é possível rebaixar o tampo em cerca de 5cm, para não ficar desconfortável ergonomicamente no dia a dia.

Com estética moderna, as cubas de apoio fazem sucesso na decoração | Projetos do escritório Bruno Moraes Arquitetura e fotos de Luis Gomes

Cuba de apoio: o modelo recebe esse nome, pois fica apoiado e fixado sobre o tampo de forma mais leve, proporcionando um efeito bonito, mas sem ficar solto. Sua utilização é frequente em lavabos, em razão de seu apelo estético. Como a cuba sai para cima do tampo, geralmente se deve utilizar torneiras com bica alta ou na parede. “Para garantir o conforto, de forma que a cuba não fique muito alta, costumamos rebaixar o tampo em mais ou menos 5cm, ficando por volta de 80cm do piso”

, explica Bruno.
Veja também:

Cuba de sobrepor: é uma solução intermediária entre a cuba de apoio e a de embutir, pois apesar de estar colocada na bancada, suas bordas ficam aparentes sobre o tampo. Nesse caso, as torneiras de bica baixa, alta e de parede são bem-vindas.

Cuba esculpida: é quando a cuba é executada na própria pedra. Em alguns casos, esconde o ralo e o escoamento da água. É uma ótima opção para espaço compactos, pois é possível dimensionar a cuba, além de ter muita flexibilidade de formas. É muito utilizada em lavabos, por conta da sua estética clean, afinal o material é uma continuação da bancada. Aqui podem ser usadas desde torneiras altas até as baixas.

Neste lavabo, a cuba foi esculpida na própria pedra, um mármore prime piguês. O arquiteto aproveitou o mesmo material para preencher todo o espaço do piso e trazer unidade | Projeto do escritório Bruno Moraes Arquitetura e foto de Luis Gomes

Cuba de piso: Esse modelo foge totalmente do tradicional, pois apresenta um design bem diferenciado. Pelo fato de a cuba ser alta e apoiada desde o piso, ela representa uma solução para quem gosta de um décor mais moderno. Também é uma excelente ideia para ambientes pequenos, como lavabos, afinal, não há necessidade de uma bancada para esse tipo de cuba. “É possível inovar bastante. Em alguns projetos, observamos a colocação de torneiras de piso e, também algumas de teto, mas quem preferir pode incluir as de parede ou fixadas na cuba mesmo”, indica Moraes.

Cuba de parede ou suspensa: também muito utilizada em ambientes pequenos, por ser uma solução mais compacta. Sua principal característica é que não precisa de bancada, podendo ser fixada diretamente na parede. Alguns modelos têm até um suporte para apoiar sabonetes, toalhas e a fixação da torneira, que pode ser de bica baixa ou alta.

Um dos modelos mais comuns, a cuba de embutir, é instalada por baixo do tampo | Projeto do escritório Bruno Moraes Arquitetura e foto de Luis Gomes

“Em resumo, para um ambiente mais moderno, as cubas de piso e esculpidas se tornam protagonistas. Já para cômodos pequenos, sugiro as cubas de piso, parede, esculpida e semi encaixe, pois conseguimos otimizar o espaço. Praticamente, todos os modelos são encontrados com pronta entrega em lojas de materiais de construção, exceto a cuba esculpida, que é um dos poucos tipos em que é necessário solicitar a produção, dessa maneira o cliente pode personalizar a peça”, recomenda o arquiteto.

O que está em alta!

“Nas ultimas feiras de arquitetura e de decoração, os fabricantes lançaram vários modelos que exploravam diferentes opções de cores e de personalização. O uso de metais rosé e pretos estão sendo vistos com mais frequência também. Os modelos de cuba esculpida, que antes observávamos muito com pedras como granito, quartzo e mármore, hoje também apresentam o uso de superfícies de alta performance, além de porcelanatos”, indica o profissional.

Lavabo com cuba de apoio, em que foi escolhido um modelo estreito, por conta do espaço reduzido |
P
rojeto do escritório Bruno Moraes Arquitetura e foto de Luis Gomes

Cuidados antes, durante e depois da obra

– É importante sempre combinar a cor, o estilo e o material da cuba com os metais, marcenaria e revestimentos do banheiro. Isso já precisa ser pensado durante o projeto de arquitetura e interiores. Por exemplo, se for utilizar uma cuba de piso, que tem uma característica mais ousada, é importante que tudo fique em sintonia com esse estilo, utilizando elementos que remetem a esta proposta mais contemporânea.

– Defina o modelo da cuba com antecedência e peça para a marmoraria já trazer a cuba instalada no tampo. Isso evita que sejam feitos os recortes dentro da obra, que além de fazer muita poeira, também aumenta o risco de imprevistos, como trincar o tampo. Na marmoraria, os cortes são mais precisos por conta do maquinário.

Veja também:

– Verifique o modelo da torneira que pretende instalar para não ter nenhum problema. Por exemplo, se por acaso, for preciso realizar uma furação da torneira na cuba antes dela ser fixada no tampo, ou se a abertura da torneira ficará virada para parede ou para pessoa.

– “Como há muitos modelos de cubas em louças cerâmicas, que são materiais mais delicados, já tivemos imprevistos de receber a peça danificada ou com pequenas avarias, por conta do transporte. Hoje, temos um processo interno nas nossas obras, em que abrimos a embalagem da cuba na frente do profissional que fez a entrega, para realizar uma verificação”, comenta Bruno.

Neste banheiro foi utilizada uma cuba de apoio no formato quadrado, que combina com a marcenaria e a bancada, ambas na cor branca, com visual bem clean | Projeto do escritório Bruno Moraes Arquitetura e foto de Luis Gomes

– Durante o período de obra, é indicada a aplicação de um filme plástico na cuba para protegê-la de tinta, sujeira, ou produtos químicos. Também é recomendada a colocação de papelão ou plástico bolha para proteção contra eventuais impactos.

– “Na limpeza para o dia da entrega da obra, nós utilizamos apenas água e sabão neutro nas cubas. Para a manutenção durante o uso diário, aconselho verificar o material da cuba que foi comprado e então observar o que o fabricante aconselha utilizar”, recomenda Moraes.

Fique por dentro de nossas notícias na página do DecorStyle no Facebook ou no nosso site  www.decorstyle.ig.com.br