Ter um gato pode reduzir o risco de ataque cardíaco e derrame -

Ter um gato pode reduzir o risco de ataque cardíaco e derrame

Ter gatos diminui risco de derrame e ataque cardíaco. Fotos: Pexels

Se você tem um gato, sabe o quanto um ronronar encorajador da criatura fofinha pode animá-lo em um dia ruim. Embora apenas a presença de um gato possa ser reconfortante, pesquisas mostram que os felinos domesticados também podem ser benéficos para a sua saúde em geral.

De acordo com um estudo publicado no Journal of Vascular and Interventional Neurology, os donos de gatos correm um risco menor de morrer de ataque cardíaco ou derrame. “A aquisição de gatos como animais domésticos pode representar uma nova estratégia para reduzir o índice de doenças cardiovasculares em indivíduos de alto risco”, dizem os autores do estudo.

Ter gatos diminui risco de derrame e ataque cardíaco. Fotos: Pexels
Ter gatos diminui risco de derrame e ataque cardíaco. Fotos: Pexels

Para obter suas descobertas, os pesquisadores analisaram os dados do National Health and Nutrition Examination Study e acompanharam os participantes que relataram algum tipo de alergia para ver se já possuíram ou atualmente possuem um gato ou cachorro.

Veja também:

Depois de ajustar para fatores de risco como idade, sexo, pressão arterial, tabagismo, diabetes, colesterol alto e mais pesquisadores descobriram que os participantes do estudo com histórico de propriedade de gatos tinham um risco notavelmente menor de morrer de doenças cardiovasculares do que os participantes que nunca tiveram gatos.

O risco reduzido de um ataque cardíaco fatal em donos de gatos é atribuído ao efeito relaxante que os felinos têm em seus humanos e sua capacidade de minimizar o estresse. Os autores do estudo observam que os participantes já podem ter características existentes que os protegem de doenças cardiovasculares, independentemente de serem donos de gatos.

Além disso, os pesquisadores observam a possibilidade de que a posse de gatos em idade precoce possa ser mais benéfica para os donos do que em anos posteriores, quando a doença cardiovascular já foi diagnosticada. Infelizmente, um risco reduzido de morte por ataque cardíaco e derrame não foi encontrado em donos de cães, mas os autores do estudo supõem que isso ocorre porque os filhotes variam consideravelmente em características.

Veja também:

Embora os resultados sejam promissores, os pesquisadores dizem que eles precisam ser confirmados em outros estudos com quantificação mais controlada da exposição do gato, examinando fatores como anos de propriedade e intensidade da interação física.

Felizmente, mais pesquisas foram conduzidas por pessoas da Universidade da Pensilvânia. O estudo acompanhou 4.435 participantes por 13 anos e descobriu que as pessoas que possuíam gatos no passado eram menos propensas a morrer de ataque cardíaco em comparação com pessoas que nunca tiveram um felino.

Fique por dentro de nossas notícias na página do DecorStyle no Facebook ou no nosso site  www.decorstyle.ig.com.br






arrow